segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Edital - 1° Festival Favelado de Teatro


 DAS INSCRIÇÕES
 - DA ORGANIZAÇÃO
Art. 1º - No período de 23 a 25 de Novembro de 2012, realizar-se-á o 1º FESTIVAL FAVELADO DE TEATRO  , uma promoção do Bando Cultural Favelados que acontecera no teatro do Espaço Cultural Biblioteca Parque da Rocinha.
 DOS OBJETIVOS
Art. 3º - O 1º FFT tem por objetivos: Promover valores teatrais; Incentivar a formação de novos grupos de teatro, visando o aprimoramento dos já existentes; Estimular na criança e no adulto o interesse pelo teatro e a formação de público a médio e longo prazo; Estimular a integração e a experimentação a partir dos espetáculos apresentados.
 O Festival  tem por objetivo promover o intercâmbio entre grupos da cidade, grupos de outros municípios e o público, destacar e divulgar novos talentos, além de valorizar as artes cênicas e incentivar as manifestações culturais do país.

Serão oferecidas aos grupos e a comunidade, oficinas de arte durante a realização do Festival;


3.1. As inscrições dar-se-ão no período entre 20 de Agosto a 27 de Outubro de 2012.
3.2. Serão desconsideradas as inscrições postadas após o dia 27 de Outubro de 2012.


I – PREMIAÇÃO – TROFÉU BCF de Cultura.
Será realizada no dia 25 de Novembro de 2012 às 21h, no Teatro do Espaço Cultural Biblioteca Parque da Rocinha., uma grande solenidade onde serão premiados os melhores nas seguintes categorias: Melhor montagem, direção, ator, atriz, ator e atriz coadjuvante, cenografia, figurinos, iluminação e produção. As premiações ocorrerão tanto para os espetáculos direcionados ao público adulto quanto ao infantil. 
IV – INCRIÇÕES DE ESPETÁCULOS
As inscrições são gratuitas e estarão abertas a partir do dia 15 de julho até o dia 27 de Outubro de 2012l.
A inscrição não garante por si só a participação no Festival, ficando à produção o critério de escolha.
A incrição para o 1° Festival Favelado de Teatro é aberta para todas as companhias e grupos teatrais do Estado do Rio de Janeiro.
As companhias e grupos poderão inscrever quantos espetáculos quiserem, podendo ter até dois selecionados por companhia ou grupo.
V – AVALIAÇÃO DOS ESPETÁCULOS INSCRITOS
Todos os espetáculos inscritos serão avaliados durante toda a fase de inscrição pela comissão julgadora e pela curadoria do Festival. A comissão julgadora será constituída por profissionais ligados diretamente às artes cênicas.
Todo material adicional à inscrição, que possa ser usado para uma análise mais detalhada do espetáculo, pode ser enviado por e-mail, para grupoculturalfavelados@hotmail.com. Sendo assim, fica a critério dos grupos inscritos o envio de materiais como: Fotos, currículos dos membros da companhia e/ou grupo, recortes de jornais e revistas falando sobre trabalhos anteriores, texto completo no caso de inédito ou até mesmo vídeos do espetáculo ou de ensaios do mesmo.
O Festival tem como responsabilidade social dar oportunidade tanto para as companhias experientes como as iniciantes. A proposta de montagem será um fator determinante para a classificação.
VI – DIVULGAÇÃO DOS ESPETÁCULOS SELECIONADOS
A relação dos espetáculos selecionados para o Festival estará disponibilizada em nosso site no dia 30 de Outubro de 2012.
A produção do Festival entrará em contato através dos dados fornecidos na inscrição do espetáculo.
VII – DATAS DE APRESENTAÇÃO
Os dias das apresentações dos espetáculos serão definidos pela produção do Festival.
VIII – PREPARAÇÃO DO ESPETÁCULO
A ambientação com o palco, os ensaios e a montagem de cenário, luz e som serão feitos no período de 1h antes do inicio da apresentação l.
IX – EQUIPE DO TEATRO
O Festival fornece apoio técnico, composto por funcionários do teatro, para orientação da montagem e desmontagem de cenário, luz e som.
É de responsabilidade do grupo, companhia ou produção o transporte da equipe e do material cênico. Da mesma forma, é de responsabilidade da produção do espetáculo todo o material necessário à montagem e desmontagem do mesmo e, ainda, a equipe própria para realizar esse trabalho.
X – VENDA ANTECIPADA DE INGRESSOS
Tendo como objetivo a descoberta de novos talentos e formação de novas platéias, a direção do Festival exigirá em contrato de responsabilidade a venda mínima antecipada de 100 (cem) ingressos por montagem, tendo a companhia participante direito a 30% (trinta por cento) da venda antecipada.
XI – INGRESSOS
O preço do ingresso será de R$10,00 (inteira) e R$5,00 (meia).
As companhias e/ou grupos terão direito a seis convites na apresentação do seu espetáculo e dois convites nos outros espetáculos do Festival.
XII – Esse Festival é direcionado também a novos talentos, portanto não haverá obrigatoriedade de apresentação de DRT. Contudo, se a companhia e/ou grupo ganhar o Festival, deverá conseguir junto ao Sindicato da categoria autorização especial para entrar em temporada regular. A produção do Festival intervirá junto ao sindicato para auxiliar na obtenção desse documento.
XIII – Os produtores dos espetáculos são responsáveis por toda liberação junto aos órgãos competentes: SBAT, ECAD e Juizado de menores (quando houver menores na produção) e deverão ter em seu poder esses documentos na assinatura do contrato.
XIV – A produção do Festival será responsável pelo pagamento do teatro, equipamento de som, operador de luz e de todo material de divulgação que será produzido, a nosso critério, beneficiando o Festival. Não haverá material publicitário nem divulgação para a mídia em geral de um espetáculo específico e sim do Festival como um todo.
As companhias poderão produzir seu próprio material de divulgação, como por exemplo flyers e folders, mas deverão colocar o nome do Festival.
XV – FOTOS E FILMAGEM
A produção do Festival reserva-se no direito de fotografar e filmar os espetáculos para fins de divulgação e arquivo.
- No ato da inscrição deverão ser entregues os seguintes materiais:

a)      A ficha de inscrição devidamente preenchida e assinada pelo responsável;
b)      01 DVD com a gravação do espetáculo completo (sem edição);
c)      03 cópias do texto (fonte arial, tamanho 12);
d)      04 fotos da apresentação em CD com alta resolução;
e)      01 currículo do diretor;
f)        Autorização da SBAT e do ECAD (ou liberação do autor);
g)      Material publicitário sobre o grupo e suas montagens;
h)      Release e sinopse do espetáculo ou folder contendo  essas informações;
i)        02 Cartazes (quando disponível);
j)         Mapa de luz, som e palco com descrição dos cenários e tempo de montagem;
k)      Especificar se é um espetáculo intimista ou não;
l)         Autorização do uso de imagem, que deverá ser preenchida e assinada  
individualmente por cada integrante do grupo (em anexo).

          

§ 1º:Não será aceita a inscrição que não atender a todas as exigências referidas nos itens do art. 4º.
§ 2º: Nenhum material enviado para inscrição será devolvido, ficando a cargo desta Secretaria;

 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 13 – O Grupo selecionado que não comparecer ao festival sem aviso prévio de 15 dias, fica proibida sua inscrição no festival subseqüente.
Art. 14 – O grupo selecionado que não comparecer ao festival,  fica proibida sua inscrição no festival subseqüente.
Art. 15 - Os documentos inscritos no Festival não serão devolvidos, farão parte do acervo da Fundação Cultural e SESC.
Art. 16 - Vedada a dupla ajuda de custo em caso de grupo que classificar-se com mais de um trabalho ou em mais de uma categoria;
Art. 17 - Vedada a inscrição no festival subseqüente ao artista ou grupo que provocarem tumulto, de qualquer ordem, durante o evento;
Art. 18 - Cabe à Comissão Organizadora do Festival responder pelos casos omissos neste regulamento.


Sobre o Espetáculo
  1. Informe os dados de seu espetáculo
  2. *
  3. *
  4. *
  5. *
  6. *
  7. *
  8. *
  9. *
  10. *
  11. *
  12. *
  13. *
  14. *
Sobre os Artistas do Espetáculo
  1. Escreva o currículo resumido do grupo e dos principais integrantes
  2. *
Dados de Contato
  1. Informe os dados do responsável pela inscrição
  2. *
  3. *
  4. *
  5. *
  6. *
  7. *
  8. *
  9. *

domingo, 1 de julho de 2012

Workshop de Interpretação - GRATIS!!!

http://www.facebook.com/events/274904609283424/?ref=notif&notif_t=plan_user_joined



    • sábado, 21 de Julho de 2012
    • 15:00
  • Studio de artes Espaço Aberto - estrad da gavea 447 _ Rocinha_ ao lado da Microlins e do Bob´s - Inscriçao pelo e-mail: Grupoculturalfavelados@hotmail.com...vagas limitadas
  • BLOG:
    http://bandoculturalfavelados.blogspot.com.br/

    Apresentação rápida e integração de todos.
    - Jogos de integração (ice-breakers);
    - Termos técnicos do teatro e suas aplicações;
    - O papel do ator na arte teatral em sí, na sociedade, trabalho em grupo, concentração, disciplina, etc.

    O personagem
    - Iniciação ao processo de criação (noções básicas).

    Corpo
    - Aquecimento, noções de rítmo, a descoberta do corpo para o exercício da arte de represe...ntar.
    - Improvisação.

    Inciando o processo
    - Temas livres (Apresentações das cenas com falas- comentários) ;
    - Montagem de pequenas cenas sobre temas previamente propostos, apresentações das cenas.

    Exercício de Dramaturgia
    - Interação de todos os participantes que contarão algum episódio imaginário ou pelo qual tenha passado.


    Inicio dos trabalhos.
    - Aquecimento, relaxamento, alguns jogos teatrais.

    Apresentação de Cenas
    Baseado no exercicio de dramaturgia, os participantes apresentarão seus trabalhos.

    Análises e comentário dos colegas
    - O diretor incitará os participantes a comentarem as diferenças entre a história contada no encontro anterior e a apresentada no exercício.

terça-feira, 26 de junho de 2012

O Ator para Grotowski



Jerzy Grotowski | O Ator para Grotowski



Texto: Cristina Tolentino
cristolenttino@yahoo.com.br
Jerzy Grotowski
Quando Grotowski entrou em contato com o mundo do teatro, compreendeu que o ator que buscava, o ator que considerava absolutamente necessário para realizar seu projeto, teria que romper, em primeiro lugar, com este círculo perverso ensaios-espetáculos. Este círculo, segundo ele, encerra o ator desde o começo de sua carreira em uma rotina sufocante que chamam de "profissão" e apaga suas aspirações criativas.

Portanto, o primeiro objetivo de Grotowski ao criar o Teatro das 13 Filas foi diminuir o ritmo dos preparativos para o espetáculo; reservar cada vez mais tempo para os ensaios; deixar mais tempo livre para o treinamento. Grotowski buscou desde o início do seu trabalho um espaço pedagógico, uma escola, um laboratório, um lugar em que o ator pudesse adquirir, conservar e aperfeiçoar os elementos ético-técnicos indispensáveis para sua atividade criativa.
Dentro dessa perspectiva, os EXERCÍCIOS desempenharam um papel fundamental no Teatro Laboratório. Por meio deles, diz Grotowski: "o ator se capacita para a artificialidade e a elaboração formal, aprendendo, antes de mais nada, a superar os limites do cotidiano e o naturalismo psicológico, para conseguir, depois, a expressividade física total - a única que pode estar em condições de restituir o ator total.
Nos exercícios e no treinamento, Grotowski colocou toda a atenção no corpo e secundariamente, na palavra. Palavra esta que nasce do corpo e que, portanto, não poderá ser usada corretamente sem uma preparação física adequada. "Será um clichê estéril, naturalista, declamatório."

Os exercícios são relacionados com as mais diferentes técnicas do corpo, como: Hatha-yoga, pantomina, acrobacia, dança, diferentes esportes como esgrima e métodos de origem estritamente teatrais.
Exercícios Físicos - sobretudo ginástico-acrobáticos.

rima e métodos
de origem estritamente teatrais.
Exercícios Físicos - sobretudo ginástico-acrobáticos.
Exercícios Plásticos - divididos em exercícios mentais (tomados de Jacques Dalcroze) e exercícios de composição, provenientes do teatro oriental (elaboração de novos ideogramas gestuais).
Exercícios de máscara facial (intuídos em primeiro lugar, por Delsarte).
Exercícios vocais relacionados com a respiração.
Jerzy Grotowski, exercícios Jerzy Grotowski, exercícios
A partir de 1963, esses exercícios sofrem uma mudança de percepção e passam a ser um pretexto para a elaboração de uma forma pessoal de treinamento do ator: "um meio para localizar e remover as resistências e obstáculos que o bloqueiam em sua missão criativa e o impedem de manifestar seus impulsos vivos."
Os exercícios passam de uma concepção positiva da técnica do ator para uma concepção negativa: "este é o caminho que entendo por expressão - caminho negativo - um processo de eliminação." Segundo Grotowski, a utilização positiva da técnica no teatro, traz o risco do perfeccionismo exterior e do virtuosismo puro - uma expressão corporal entendida só em seu aspecto exterior e muscular e do próprio narcisismo. Se os atores tradicionais, em sua maioria, eram uma cabeça (ou uma voz) sem corpo, os atores do Teatro Laboratório corriam o perigo de converterem-se num corpo sem cabeça, perpetuando essa separação secular sobre a qual se edificou a civilização ocidental.
A partir dessas reflexões, Grotowski busca uma técnica que recomponha o ator - o homem na sua totalidade: mente, corpo, gesto, palavra, espírito, matéria, interno, externo.
Neste período, Grotowski destaca duas indicações para os exercícios:

  • os exercícios devem ser individuais e motivados por associações, imagens precisas - reais ou fantásticas - ou seja, tenham conteúdo.
  • a reação física deve iniciar-se sempre dentro do corpo. O gesto visível só deve ser a conclusão desse processo.

  • É o corpo-memória, o corpo-vida, imagens que projetam seu reflexo para mais além do teatro e da representação. Assim acontece quando "o homem não quer esconder mais nada: nem sobre a pele, nem a pele, nem embaixo da pele."
    Sobre este trabalho escreve o crítico Joseph Kerala, após assistir a interpretação de Ryzard Cieslak em "O Príncipe Constante" em 1965: "na interpretação do ator os elementos fundamentais da teoria de Grotowski se manifestam de modo tão preciso e tangível que oferece, não só uma demonstração de seu método, mas também os frutos estupendos que este método dá.
    Jerzy Grotowski com o espetáculo O Príncipe Constante
    O Príncipe Constante: mesmo depois da morte, o êxtase e o deslumbramento permanecem em seu rosto. Foto: Teatro-Laboratório.
    Mas a essência de tudo isto não consiste no uso que o ator faz de sua voz e do seu corpo e sim de algo muito distinto.

    Em minha profissão de crítico teatral, ainda não me havia sentido tentado a usar essa expressão trivial, que neste caso, soa como algo muito válido: é uma interpretação "inspirada". Uma espécie de luz psíquica emana do ator. Não me sinto capaz de encontrar outra definição. Nos momentos culminantes de seu papel, tudo aquilo que constitui a técnica recebe uma iluminação que vem de dentro, como uma luz literalmente imponderável. A cada momento o ator levita... se encontra em estado de graça."
    A partir de 1968, Grotowski não dirigiu nenhum espetáculo teatral. E desde 1985, veio realizando um trabalho que constituiu a conclusão do seu caminho criativo de mais de 30 anos. Este trabalho marca o quarto período de sua atividade criativa - artes rituais - que se refere aos trabalhos que realizou na Itália.
    Em 1982, durante a lei marcial, Grotowski sai da Polônia. Passa uma curta estadia na Itália e Haiti e depois vai para os Estados Unidos onde permanece como refugiado. Foi "professor de drama" na Colúmbia Universidade de Nova York.
    Entre 1983 e 1984 foi mestre da Universidade da Califórnia em Irvine, onde empreendeu o programa "Drama Objetivo".

    Continue lendo:


    Sobre o método das ações físicas .....Jerzy Grotowski



    Grupo Tempo - Textos
    Sobre o método das ações físicasJerzy Grotowski


    Os atores pensavam poder organizar seu papel através das emoções e Stanislavski por muitos anos de sua vida pensou assim, de maneira emotiva.  O velho Stanislavski descobriu verdades fundamentais e uma delas, essencial para o seu trabalho, é a de que a emoção é independente da vontade.  Podemos tomar muitos exemplos da vida cotidiana.  Não quero estar irritado com determinada situação mas estou.  Quero amar uma pessoa mas não posso amá-la, me apaixono por uma pessoa contra a minha vontade, procuro a alegria e não acho, estou triste, não quero estar triste, mas estou.  O que quer dizer tudo isso?  Que as emoções são independentes da nossa vontade.  Agora, podemos achar toda a força, toda a riqueza de emoções de um momento, também durante um ensaio, mas no dia seguinte isto não se apresenta porque as emoções são independentes da vontade.  Esta é uma coisa realmente fundamental.  Ao contrário, o que é que depende da nossa vontade?  São as pequenas ações, pequenas nos elementos de comportamento, mas realmente as pequenas coisas - eu penso no canto dos olhos, a mão tem um certo ritmo, vejo minha mão com meus olhos, do lado dos meus olhos quando falo minha mão faz um certo ritmo, procuro concentrar-me e não olhar para o grande movimento de leques (referência às pessoas se abanando no auditório) e num certo ponto olho para certos rostos, isto é uma ação.  Quando disse olho, identifico uma pessoa, não para vocês, mas para mim mesmo, porque eu a estou observando e me perguntando onde já a encontrei.  Vejam a posição da cabeça e da mão mudou, porque fazemos sempre uma projeção da imagem no espaço; primeiro esta pessoa aqui, onde a encontrei, em qualquer lugar a encontrei, qualquer parte do espaço e agora capto o olhar de um outro que está interessado e entende que tudo isso são ações, são as pequenas ações que Stanislavski chamou de físicas.  Para evitar a confusão com sentimento, deve ser formulável nas categorias físicas, para ser operativo.  É nesse sentido que Stanislavski falou de ações físicas.  Se pode dizer física justamente por indicar objetividade, quer dizer, que não é sugestivo, mas que se pode captar do exterior.
    O que é preciso compreender logo, é o que não são ações físicas.  As atividades não são ações físicas.  As atividades no sentido de limpar o chão, lavar os pratos, fumar cachimbo, não são ações físicas, são atividades.  Pessoas que pensam trabalhar sobre o método das ações físicas fazem sempre esta confusão.  Muito freqüentemente o diretor que diz trabalhar segundo as ações físicas manda lavar pratos e o chão.  Mas a atividade pode se transformar em ação física.  Por exemplo, se vocês me colocarem uma pergunta muito embaraçosa, que é quase sempre a regra, eu tenho que ganhar tempo.  Começo então a preparar meu cachimbo de maneira muito "sólida".  Neste momento vira ação física, porque isto me serve neste momento.  Estou realmente muito ocupado em preparar o cachimbo, acender o fogo, assim DEPOIS posso responder à pergunta.
    Outra confusão relativa às ações físicas, a de que as ações físicas são gestos.  Os atores normalmente fazem muitos gestos pensando que este é o mistério.  Existem gestos profissionais - como os do padre.  Sempre assim, muito sacramentais.  Isto são gestos, não ações.  São pessoas nas situações de vida.  Pois sobretudo nas situações de tensão, que exigem resposta imediata, ou ao contrário em situações positivas, de amor, por exemplo, também aqui se exige uma resposta imediata, não se fazem gestos nessas situações, mesmo que pareçam ser gestos.  O ator que representa Romeu de maneira banal fará um gesto amoroso, mas o verdadeiro Romeu vai procurar outra coisa; de fora pode dar a impressão de ser a mesma coisa, mas é completamente diferente.  Através da pesquisa dessa coisa quente, existe como que uma ponte, um canal entre dois seres, que não é mais físico.  Neste momento Julieta é amante ou talvez uma mãe.  Também isto, de fora, dá a impressão de ser qualquer coisa de igual, parecida, mas a verdadeira reação é ação.  O gesto do ator Romeu é artificial, é uma banalidade, um clichê ou simplesmente uma convenção, se representa a cara de amor assim.  Vejam a mesma coisa com o cachimbo, que por si só é banal, transformando-a a partir do interior, através da intenção - nesta ponte viva, e a ação física não é mais um gesto.
    O que é gesto se olharmos do exterior?  Como reconhecer facilmente o gesto?  O gesto é uma ação periférica do corpo, não nasce no interior do corpo, mas na periferia.  Por exemplo, quando os camponeses cumprimentam as visitas, se são ainda ligados à vida tradicional, o movimento da mão começa dentro do corpo (Grotowski mostra), e os da cidade assim (mostra).  Este é o gesto.  Ação é alguma coisa mais, porque nasce no interior do corpo.  Quase sempre o gesto encontra-se na periferia, nas "caras", nesta parte das mãos, nos pés, pois os gestos muito freqüentemente não se originam na coluna vertebral.  As ações, ao contrário, estão radicadas na coluna vertebral e habitam o corpo.  O gesto de amor do ator sairá daqui, mas a ação, mesmo se exteriormente parecer igual será diversa, começa ou de qualquer parte do corpo onde existe um plexo ou da coluna vertebral, aqui estará na periferia só o final da ação.  É preciso compreender que há uma grande diferença entre Sintomas e Signos/Símbolos.  Existem pequenos impulsos do corpo que são Sintomas.  Não são realmente dependentes da vontade, pelo menos não são conscientes - por exemplo, quando alguém enrubesce, é um Sintoma, mas quando faz um Símbolo de estar nervoso, este é um Símbolo (bate com o cachimbo na mesa).  Todo o Teatro Oriental é baseado sobre os Símbolos trabalhados.  Muito freqüentemente na interpretação do ator estamos entre duas margens.  Por exemplo, as pernas se movem quando estamos impacientes.  Tudo isso está entre os Sintomas e Símbolos.  Se isto é derivado e utilizado para um certo fim se transforma em uma ação.
    Outra coisa é fazer a relação entre movimento e ação.  O movimento, como na coreografia, não é ação física, mas cada ação física pode ser colocada em uma forma, em um ritmo, seria dizer que cada ação física, mesmo a mais simples, pode vir a ser uma estrutura, uma partícula de interpretação perfeitamente estruturada, organizada, ritmada.  Do exterior, nos dois casos, estamos diante de uma coreografia.  Mas no primeiro caso coreografia é somente movimento, e no segundo é o exterior de um ciclo de ações intencionais.  Quer dizer que no segundo caso a coreografia é parida no fim, como a estruturação de reações na vida.

    De uma palestra proferida por Grotowski no Festival de Teatro de Santo Arcangelo (Itália), em junho de 1988.

    terça-feira, 15 de maio de 2012

    quinta-feira, 1 de março de 2012

    1ª FEIJOADA CULTURAL...

    BANDO CULTURAL FAVELADOS



    convida para:


    ... 1ª Feijoada beneficiente.


    em prol da nova montagem do bando.


    Allan Kardec - a saga de um codificador


    dia 11 de março apartir das 14:00


    música ao vivo


    e no final o esquete esperado por todos:


    BRASIL - UM PAÍS DE POUCOS.


    Nao fique de fora..participe


    valor: 5,00


    Local: estrada da Gavéa em frente a Casa da Paz - Antiga creche.


    vendas ntecipadas com os componentes do bando e no escritorio da Revista Guia Mix.


    maiores informaçoes?


    9848-8985 Castelo Branco


    grupoculturalfavelados.

    

    quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

    LEITURA DE TEXTO DRAMATIZADA DE GTRAÇA DIA 28.......NÃO PERCAM....

    Cinema: Escola Darcy Ribeiro abre processo seletivo

    Cinema: Escola Darcy Ribeiro abre processo seletivo






    A Escola de Cinema Darcy Ribeiro (ECDR) está com inscrições abertas, até 29 de fevereiro, para o processo de seleção dos cursos regulares de Direção e Roteiro Cinematográfico, Montagem e Edição de Imagem e Som. Os cursos, com duração de um ano e meio, são organizados em três módulos semestrais.









    As inscrições podem ser feitas na Secretaria da Escola: Rua da Alfândega, 5 – Centro – Rio de Janeiro – RJ. Alunos estrangeiros e brasileiros residentes fora do estado podem se inscrever pela internet. A Escola de Cinema Darcy Ribeiro recebe o apoio do Ministério da Cultura (MinC), por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).



    No processo seletivo, os candidatos serão avaliados por meio de análise curricular, além de uma prova escrita e uma entrevista individual, com critérios que pontuam a disponibilidade, o interesse e a vocação para a área escolhida.



    A exigência mínima para a inscrição é a apresentação do diploma de nível médio completo ou diploma de nível superior, no caso do candidato possuir outra formação. Os cursos regulares da escola oferecem formação teórica e prática em funções específicas do setor audiovisual e cinematográfico. São oferecidas 25 vagas por curso e o período letivo vai de março a julho e de agosto a dezembro. As aulas são ministradas no horário das 18h30 às 21h30 e, aos sábados, das 14h às 17h.



    Os planos de estudo estão organizados em disciplinas comuns às três áreas oferecidas e a conteúdos específicos de cada uma. Para receber o diploma de conclusão, os alunos precisam ter 75% de frequência. A partir do segundo módulo, os coordenadores dos cursos programam atividades de realização em plataforma digital para equipes integradas por alunos dos diferentes cursos, cada um atuando em sua área de formação.



    Os trabalhos audiovisuais realizados pelos alunos são apresentados na Escola de Cinema Darcy Ribeiro durante os eventos de abertura do semestre letivo.



    Fonte: Portal do Ministério da Cultura